domingo, 27 de novembro de 2016

O outro dia

E, assim que a calma se perdeu por entre as folhas secas da rua,
eu apenas parei e me vi refletido na poça de água transparente
que, ilhada entre o lixo do mundo, trazia em si um silêncio e um desbotar na alma.
Coloquei os ombros para cima, os olhos traziam aquela tristeza e desconfiança de quando é quase
meia noite e no dia seguinte vai se acordar cedo e com medo e ainda bêbado de sonhos e vinho.
Encarei por alguns segundos e senti a brisa fria de um abismo descascado no muro de uma frase
errada e tardia.
Assim mesmo preferi me sentar no meio fio e aos poucos me despedir de mim.
A Lua por enquanto era uma cúmplice calada.
Não houve dia seguinte. Nunca mais.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Caos

Aquela coisa em preto e branco desbotando na parede
encapsulada e embalada em papel brilhante
Poderia ser o tempo ou um quase nada reluzente
Poderia ser a eternidade soluçante
aquele ser sem casa e lamentavelmente sonolento
que tropeça em cada passo e sorri quando ouve o vento
que a cada uivo recupera uma pancada e um lamento
Um suburbano indiferente que ressuscita a cada dia em um passo lento
Na verdade a subida é íngreme
e olhar para cima alimenta a vertigem
A sensação é plena
Não existe a dúvida,nem a sagacidade enlevada
O que resta é um dia apocalíptico e milagroso
Onde as frestas do muro disparam casualidades
e eu abro a boca e consumo tudo
assim é o caos
E é aí onde quero morar.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Por sob a ponte

Você apenas se encharca de toda a humanidade inflamável e chega bem perto do fogo.
Apenas levanta as mãos,faz uma pequena prece silenciosa e inócua.
Olha ao redor, sente o cheiro vazio de mil mentes inquietas e sonâmbulas.
Teus pés se arrastam vagarosamente,tua voz surda berra um grito disforme
É quase um chamado, um pequeno canto de uma sereia deformada.
E você acena para os deuses ali caídos,ensanguentados.
Você distraidamente apodrece enquanto fita o horizonte.
Ao teu lado descansam duas armas carregadas.
Teu cérebro anseia por elas, um imã.
É madrugada, é frio,a garoa flutua lentamente por sobre o trânsito.
Por sob a ponte um caminhante bêbado
Por sob a ponte a vida enclausurada
Por sob a ponte a morbidez de alguns segredos revelados entre um gole e outro.
Você caminha abruptamente.
Sobe lentamente a grade do viaduto.
Balbucia algum verso esquecido de algum poeta maldito.
E voa como um pássaro relutante.
Voa como um inseto de encontro a luz.
E teu nome ecoa em cada fresta da noite silenciosa.
Um minuto e tudo é sonho.
Você ainda vê a última gota de chuva.
Você ainda vê o vapor do asfalto quente.
E a palidez do universo tinge tudo de solidão.

Pessoas que aportaram por aqui: